Informação

Missão

  • Identificar e analisar as tendências e acontecimentos em curso que afetam o funcionamento adequado dos mercados financeiros na América Latina;
  • Explorar o espectro de implicações de curto e longo prazo dos problemas emergentes e mudanças na política;
  • Ajudar a desenvolver respostas privadas e regulamentares aos choques a fim de promover a eficiência ea segurança da indústria de serviços financeiros na região;
  • Avaliar e responder a iniciativas de políticas públicas que afetam os mercados financeiros.

Objetivo

Para elevar o nível do debate sobre as políticas regionais / internacionais públicas e desenvolvimentos que afectam a segurança e eficiência dos mercados financeiros latino-americanos , em grande parte através de suas declarações políticas eo seu raciocínio analítico subjacente.

Tópicos

  • Internacional Macro -Finance na América Latina e da arquitectura financeira internacional;
  • bancário Universal e bancassurance;
  • Desenvolvimento de mercados de capitais na América Latina;
  • Bancos e derivados;
  • Serviços de pagamento eletrônico por parte de instituições financeiras não bancárias;
  • Supervisão dos conglomerados financeiros e instituições financeiras não-bancárias;
  • Requisitos de capital;
  • Propriedade e/ou apoio de instituições financeiras Estado.

Reuniões e declarações políticas

O Comitê se reúne duas vezes por ano. No final de cada reunião, o Comité elabora uma declaração de política, a fim de cumprir o seu objectivo.

Independência e Financiamento

As conclusões e recomendações do CLAAF são a sua própria .

O Comitê é completamente independente dos seus fornecedores, reguladores e supervisores do setor financeiro na América Latina ou em outro lugar . Expressamos a nossa gratidão ao Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) , o Fundo Latino-Americano de Reservas ( FLAR ), o Banco Central do Chile e do Banco da Cidade de Buenos Aires devido ao seu apoio financeiro.


Membership

CLAAF é composto por economistas latino-americanos de topo, altamente reconhecidos pelos seus conhecimentos sobre as questões financeiras e dos mercados latino-americanos. A Comissão está disposta a aceitar um membro não latino-americanos apenas se a qualificação específica e única do membro justifica a excepção.